Tribuna Livre

PINCELADAS DUM REPÓRTER SOLITÁRIO EM TIMOR-LESTE

Escrito por Jornalista Rui Pedro Fonseca em 2012-03-27 12:56:41

Classifique este texto

Classificação: 4.8 (491 Votos)

PINCELADAS DUM REPÓRTER SOLITÁRIO EM TIMOR-LESTE

     


A MAIOR RIQUEZA DE TIMOR-LESTE RESIDE NA ALMA DOS TIMORENSES

A maior riqueza de Timor-Leste reside na alma dos timorenses. Apesar da indiscutível importância deste país no que diz respeito a recursos naturais, a beleza interior e a atitude descontraída destas gentes é apaixonante.

Nas zonas rurais costeiras desde a fronteira com a parte indonésia da ilha em Batugade ate á capital Dili, as crianças brincam livres, sem roupa, um pouco por toda a parte, com um sorriso genuíno impossível de fingir, alheias á contagem dos votos que decorreu um pouco por todo o país. Aqui as decisões políticas, os vencedores e os derrotados não importam, apenas a liberdade e a alegria do momento e as brincadeiras no meio da água e lama.

A época das chuvas deste ano tem sido rigorosa e já provocou muitos estragos e algumas mortes.

Fomos desde Batugade até Dili onde a devastação é bastante visível. Árvores caídas, terrenos completamente alagados e estradas em muito mau estado. Por várias vezes tivemos de sair do carro para retirar as pedras do caminho que caíam das escarpas." Temos de puxar ao mesmo tempo...quando contar até três" diz um timorense em português no momento que se prepara para retirar uma pedra enorme do caminho, que impossibilitava os carros de passarem. "Cuidado" diz um indonésio que conduz uma das carrinhas que transporta passageiros até á capital, alertando as pessoas que tentam retirar as pedras para se desviarem de mais uma derrocada que empurra um monte de pedras na sua direcção. Depois de um grande esforço o caminho fica parcialmente desimpedido e os carros podem circular, rapidamente, antes de outro deslizamento atirar mais pedras pela encosta íngreme.

Continua a chover e os troços do percurso que não têm alcatrão tornam muito difícil a progressão dos veículos, devido ao terreno lamacento. É assim um pouco por toda a ilha na época das chuvas, mas em especial este ano, a monção tem sido muito rigorosa particularmente na última semana, o que dificultou bastante o processo eleitoral.

Segundo informações da Polícia Nacional a votação decorreu em tranquilidade por todo o país, mas o mau tempo provocou a queda de muitas árvores, deslizamentos de terra e a morte de algumas pessoas.

O representante da União Europeia em Timor-Leste, Juan Carlos Rey, afirmou que as eleições presidenciais decorreram com um sentido cívico "admirável" e com "sentido democrático".

Em Dili, no dia das eleições o trânsito foi praticamente inexistente já que milhares de timorenses viajaram desde quinta-feira para os distritos onde estão inscritos para participarem nas eleições presidenciais. Muitas lojas estiveram fechadas no dia do escrutínio. Os mais de 620.000 eleitores votaram em 850 mesas de voto espalhadas pelo país.

Fernando Esposito, natural de Ermera, tem 61 anos e votou em Francisco Guterres Lu Olo. Foi combatente pela FRETILIN em 1975 e fala com alguma mágoa e tristeza dos anos da guerra. Actualmente trabalha na Alfândega em Batugade, recebe cerca de 145 dólares por mês e vive em Dili. Queixa-se de este ano não ter podido votar em Dili onde vive e de ter sido obrigado a ir a Ermera, província onde está inscrito. "Muita gente não votou por isso" acrescenta enquanto nos diz que os mais novos já não falam português e estão a falar mais Bahasa, língua oficial indonésia. " E mais fácil para eles aprenderem o indonésio do que o português, lamenta. " Em Ermera toda a gente fala português mas na cidade os mais novos preferem o indonésio e o inglês, por causa dos turistas".

Á semelhança do que acontece noutros países, diz com pena que as novas gerações já não querem saber do trabalho agrícola, por isso os campos estão abandonados e as cidades, em especial Dili sofrem de um problema de excesso de população e falta de qualidade de vida. "Como se diz em português, o mundo é ingrato, apenas podemos contar connosco, os políticos são iguais em todo o mundo, apenas estão interessados em enganar as pessoas e enriquecer."

Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak lideraram os resultados das eleições presidenciais.
O Supremo Tribunal de Recurso de Timor-Leste proclamou no dia 26 de Marco, em cerimónia pública, válida a primeira volta das eleições presidenciais do país, que decorreu no passado dia 17 de Março. Segundo o Presidente do Supremo Tribunal de Recurso Timorense, Cláudio Ximenes, os resultados oficiais da primeira volta das eleições são os seguintes:
Eleitores inscritos - 625.503
Eleitores votantes - 489.933 (78,20 por cento)
Votos brancos - 6.484
Votos nulos - 18.788

Candidatos:

Manuel Tilman - 7.226 (1,56 por cento)
Taur Matan Ruak - 119.462 (25,71 por cento)
Francisco Guterres Lu Olo - 133.635 (28,76 por cento)
Rogério Lobato - 16.219 (3,49 por cento)
Maria do Céu Lopes da Silva - 1.843 (0,40 por cento)
Angelita Pires - 1.742 (0,37 por cento)
José Ramos-Horta - 81.231 (17,48 por cento)
Francisco Gomes - 3.531 (0,76 por cento)
José Luís Guterres - 9.235 (1,99 por cento)
Abílio Araújo - 6.294 (1,35 por cento)
Lucas da Costa - 3.862 (0,83 por cento)
Fernando La Sama de Araújo - 80.381 (17,30 por cento).

Segundo o Supremo Tribunal de Recurso, passam à segunda volta das eleições presidenciais, que se realizam a 16 de Abril, Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak.

O candidato Francisco Guterres Lu Olo, apoiado pela Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente (FRETILIN), ficou em primeiro 133.635 votos (28,76 por cento).

Em segundo lugar, ficou o antigo chefe das Forças Armadas Taur Matan Ruak, que se demitiu de funções para concorrer às eleições presidenciais e que é apoiado pelo Conselho Nacional da Reconstrução (CNRT) de Timor-Leste do primeiro-ministro Xanana Gusmão, com 119.462 votos (25,71 por cento)

O actual Chefe de Estado de Timor-Leste, José Ramos-Horta, que se recandidatou ao cargo ficou na terceira posição com 81.231 (17,48 por cento), seguido de Fernando La Sama de Araújo, actual presidente do Parlamento Nacional e líder do Partido Democrático, com 80.381 (17,30 por cento).

Os dados divulgados indicavam também que 18.788 boletins de voto foram considerados nulos e 6.484 pessoas votaram em branco.

O Presidente de Timor-Leste cedo reconheceu a sua derrota nas eleições presidenciais e felicitou Francisco Guterres Lu Olo e Taur Matan Ruak, os dois candidatos que passam à segunda volta.

OS CANDIDATOS DA PRIMEIRA VOLTA

Deputados, políticos, antigos ministros, um vice-primeiro-ministro e um reitor foram os candidatos que procuraram intrometer-se entre os favoritos nas eleições presidenciais de 17 de Março em Timor-Leste.

O antigo Chefe de Estado, José Ramos-Horta, foi novamente candidato, juntamente com o General Taur Matan Ruak, Francisco Guterres Lu Olo, Francisco Gomes, Angelita Maria Francisca Pires, Rogério Lobato, Lucas da Costa, Abílio Araújo, Fernando La Sama de Araújo, Manuel Tilman, Maria do Céu da Silva Lopes e José Luís Guterres.

Apesar do elevado número de candidatos a Presidente a corrida foi principalmente disputada entre Ruak e Guterres.

José Maria Vasconcelos, "Taur Matam Ruak", 56 anos, foi Chefe das Forças Armadas até o ano passado e foi o principal rival de Ramos Horta. Contou com o apoio do Conselho Nacional de Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), de centro-esquerda dirigido pelo actual primeiro-ministro, Xanana Gusmão. Taur Matam Ruak garantiu que se ganhar as eleições, as Forças Armadas desempenharão um papel importante no desenvolvimento do país e o serviço militar será obrigatório para homens e mulheres.

Francisco "Lu Olo" Guterres, ex-comandante da guerrilha separatista é considerado um dirigente lendário do partido de esquerda Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin). Com 58 anos, Guterres voltou a concorrer à presidência após a sua anterior derrota frente a Ramos Horta, com 30% dos votos, em 2007. Foi presidente do Parlamento de 2002 a 2007. Durante a campanha Guterres teve um discurso em que deu especial destaque ao combate à corrupção.

APOIOS PARA A SEGUNDA RONDA

José Ramos-Horta, presidente de Timor-Leste e o presidente do Partido Democrático, La Sama de Araújo, anunciaram que vão indicar em conjunto um sentido de voto para a segunda volta das presidenciais e colaborar para as legislativas.

"O presidente La Sama e eu próprio reunimos 35 por cento dos votos. Qualquer desfecho da segunda ronda vai depender muito do nosso sentido de voto. O candidato que necessita ter 50 + 1 para passar na segunda volta vai necessitar do nosso apoio", afirmou o actual Chefe de Estado Timorense.

Em Dili, Ramos-Horta disse ainda que vai colaborar com todos os partidos, sociedade civil e igreja para decidir qual é o cenário possível e a configuração política melhor para garantir a paz e estabilidade no país.

José Ramos-Horta e Fernando La Sama de Araújo, que é também Presidente do Parlamento Nacional, ficaram, respectivamente, em terceiro e quarto lugares na primeira volta das presidenciais.

O deputado timorense Mário Carrascalão afirmou que a campanha para a segunda volta das presidenciais em Timor-Leste será "muito mais intensiva" e haverá fricções entre os dois candidatos, já que nenhum tem a vitória garantida.

O deputado do Partido Social Democrata (PSD) de Timor-Leste comentava, questionado pelos jornalistas, os resultados da primeira volta das eleições presidenciais, que ditaram uma segunda volta entre o candidato da Fretilin, Francisco Lu Olo Guterres, e o General Taur Matan Ruak, apoiado pelo partido de Xanana Gusmão.

Depois de analistas políticos terem antecipado uma vitória de Taur Matan Ruak na segunda volta, admitindo que os votos dos candidatos excluídos na primeira volta serão transferidos para o ex-Chefe das Forças Armadas, Mário Carrascalão alertou que "vários outros componentes terão de ser tidos em conta".

"Não há dúvidas de que a incógnita estará no General Taur Matan Ruak, porque Lu Olo conta com um partido muito disciplinado, com uma base de cento e poucos mil votos", disse o ex-vice-primeiro-ministro do Governo chefiado por Xanana Gusmão.

No entanto, alertou que a realidade de hoje é diferente da de 2007, quando Lu Olo ganhou a primeira volta, mas perdeu para Ramos Horta na segunda porque os restantes partidos se aliaram contra a Fretilin.

"Desta vez isso não acontece. A posição da Fretilin mudou. Soube conquistar a simpatia dos outros partidos e conviver melhor com os outros partidos e este factor poderá ser um valor acrescentado para Lu Olo", afirmou.

Além disso, alertou, "o apoio dado pelo CNRT até poderá ser contraproducente" para Matan Ruak: "Ele apareceu como candidato independente que caiu na simpatia de muita gente. Mas depois de obter o apoio do partido de Xanana houve muita gente que se afastou dele porque sentiu que estava a ser levada por um partido quando as pessoas queriam era um Presidente independente".

"Não sei o que tudo isto vai dar, mas nada é tido como certo", disse Mário Carrascalão, lembrando que o PSD já tomou a decisão de não apoiar qualquer dos candidatos. Também o actual presidente, que ficou em terceiro lugar na primeira volta, já afirmou que vai "observar rigorosa neutralidade".

O resultado final, conclui Carrascalão, irá depender em grande medida das posições de Fernando La Sama de Araújo, que reuniu quase 80 mil votos, e de Rogério Lobato, que obteve a simpatia de 16 mil eleitores. "Estes elementos serão decisivos".

Certo, para o deputado social-democrata, é que a segunda volta "terá mais pontos quentes" e "mais fricções". "A disputa pelos votos será muito mais intensiva e talvez até tentativas de influenciar os votantes através de meios ilícitos", admitiu ".

Lembrou que a obrigação de os eleitores votarem no local onde se registaram excluiu das urnas 200 mil pessoas, impedidas de votar devido à distância e ao preço das viagens, dificuldades que não se dissiparão na segunda volta.

Ainda assim, está confiante de que o processo será mais pacífico do que o de 2007: "As pessoas têm uma educação cívica diferente, estão mais evoluídas, entendem melhor o que é democracia, aceitam melhor resultados".

"Mas a disputa vai ser renhida, não tenho dúvidas".

2012 - ANO DECISIVO PARA O FUTURO DE TIMOR-LESTE

Uma década depois de conquistar a independência da Indonésia, Timor Leste realizou as segundas eleições presidenciais como um estado livre.

A campanha eleitoral deste ano decorreu de forma mais pacifica do que em 2007, altura em que as eleições ficaram marcadas pela violência generalizada. Apesar disso houve relatos de testemunhas que afirmaram que os apoiantes de Matan Ruak usaram ilegalmente uniformes do exército, numa tentativa de intimidar os eleitores. Acusações prontamente negadas pelo porta voz de Matan Ruak.

Recordo que a campanha esteve interrompida devido ao funeral de Francisco Xavier do Amaral, que também era candidato nesta eleições pela Associação Democrática Social de Timor. Faleceu aos 75 anos de idade vítima de cancro.

Xavier do Amaral era considerado por muitos como o primeiro Presidente de Timor-Leste, depois de ter declarado unilateralmente a independência de Portugal em 1975, dias antes do país ter sido invadido pelas tropas indonésias.

Este acto eleitoral foi o primeiro de uma série de eventos chave neste país altamente instável e ainda traumatizado por 24 anos de ocupação Indonésia que terminou em 1999.

Entre os vários problemas de Timor-Leste está a alta dependência das reservas de energia. O país é descrito pelo Fundo Monetário Internacional como a "economia do mundo mais dependente do petróleo".

No próximo mês de Maio, Timor-Leste celebra os 10 anos de independência, que chegou depois de 3 anos de administração das Nações Unidas, seguida de um violento referendo. Mais tarde, em Junho, os eleitores vão escolher um novo governo.

No final do ano esta pequena nação com 1,1 milhão de habitantes diz adeus ás forças das Nações Unidas estacionadas no país desde o voto de independência em 1999.

Irão sair todas as forças de segurança, excepto a nossa GNR, muito estimada e respeitada pelos Timorenses, o que registamos com o mais vivo agrado.

Jornalista Rui Pedro Fonseca
Díli - TIMOR-LESTE 26 de Março de 2012

Deixe aqui seu comentário

Os campos assinalados com (*), são de preenchimento obrigatório.

Código de Segurança

 

Comentários

VANDA M.P. MIRANDA - LISBOA


Fantástica reportagem de Timor !
De facto as fotos transmitem muita coisa!

Um grande beijinho de parabéns Rui Pedro.

Vanda

2012-05-26


JOSÉ ANTÓNIO LOPES DOS SANTOS – LARANJEIRO

Rui Pedro:
Começo por dizer que não conheço Timor, mas tenho acompanhado com interesse tudo quanto é noticiado relativamente ao território, devo dizer em relação a todos os territórios das ex-colónias. Quem como eu passou quase oito anos repartidos entre a Guiné e Angola não pode ficar indiferente ao que passa com os povos com quem convivemos tantos séculos. Preocupo-me quando surgem problemas como os que estão a acontecer agora na Guiné, quando o meu desejo é que aqueles povos vivam em paz e prosperidade. Lendo o seu artigo noto que existe aí um grande amor por aquele povo, que compartilho, mas também o retrato fiel das preocupações e anseios dos seus dirigentes e candidatos e, mesmo o povo aquele povo que fala preocupado com os seus jovens. Infelizmente isso também nos toca, mas Caro Rui Pedro o que diz no seu artigo corresponde á análise que fazia pelo que tenho lido e ouvido, bem haja pelo seu trabalho que a todos nos enriquece pelo conhecimento.

Os melhores cumprimentos,
José Santos

2012-04-19

PALMIRA MARQUES

Dili - TIMOR-LESTE

PALMIRA MARQUES - Dili - TIMOR-LESTE

Descrever como nos sentimos em Timor é muito difícil de explicar!
É tudo tão intenso, meu Deus!
Depois as palavras correm como ribeiras em declive, e aí, exorcizamos tudo o que nos vai na alma!
Timor está dentro de nós e é como se nunca tivéssemos saído de lá, ou por outra, por não estarmos ali, a ansiedade é tanta que nos consome!
O Rui Pedro Fonseca descreve com alma o que se passou ao visitar Timor!
Parabéns ao jornalista e ao homem, mas também a alguém que lhe mostrou o caminho!

Abraço,
Palmira Marques

2012-04-04

MARGARIDA PARDAL - LISBOA

Caro Amigo,

Uma excelente reportagem foto - jornalística do do repórter solitário Rui Pedro Fonseca sobre o longínquo Timor-Leste.

A Alma Lusa que se faz Maior, e que Abraça o Mundo Todo.

Muitos parabéns,

Margarida Pardal

2012-03-29

VIVA RÁDIO MONSANTO:

Sr. RUI PEDRO FONSECA, é um dos melhores jornalistas em Portugal. Grande contribuinte na DIVULGAÇÃO da Rádio Clube em todo o mundo.
De MONSANTO. Viajero incansáveis. Para a Ásia, Índia, Tailândia, Malásia, Laos, Espanha.
Um repórter solitário, do conhecimento maravilhoso do mundo da comunicação. Parabéns e felicidades a Rádio Clube MONSANTO,
o som popular ao serviço regionalismo Português com música, notícias é a minha Companhia para o meu dia a dia.
En www.viriato-viera.com meu site é dos anos enlace. Desde atrás, eu considerei CLUBE MONSANTO RADIO, um dos melhores embaixadores de PORTUGAL nos cinco continentes.
Don Joaquim Manuel da Fonseca, Director-Geral de MONSANTO Rádio Clube é um dos grandes homens portugueses do nosso tempo. Seu alcance para os valores culturais de Portugal, e acima de tudo, as canções e música em PORTUGUÊS é UNIQUE.
MEU DESEJO DE VOLTAR A ABRAÇAR DON MANUEL DA FONSECA JOAQUIN está vivo há muitos anos, reunidos em FAR com o serviço que FAZ PARA O MUNDO.

UN Abraço,
JOSÉ VIERA GUTIERRÉZ
Cáceres - España



Estimado Amigo ,

Li e gostei do texto elaborado pelo seu Rui Pedro em terras de Timor-Leste. Ele escreve, com sentimento, aquilo que lhe vai na alma e retrata bem aquela gente simples e humilde, onde ainda permanecem os laços de afecto ao povo português.
Curiosa é também a sua descrição sobre o território e céus de Timor... a "via láctea"!
Parabéns!
Um dia pode escrever um livro sobre as suas viagens pela Ásia, dando a conhecer a cultura do Oriente.

Um abraço de amizade
Elias Vaz


Caríssimo Amigo:

Partilho da sua alegria, ao receber de Timor esta excelente reportagem do Rui Pedro Fonseca.
Neste trabalho continua bem visível a observação atenta do repórter e a sua grande capacidade de entendimento da terra e das gentes que observa. Gosto da sua expressividade e do suficiente poder de síntese ao descrever as situações e os
cenários.
Maravilhado com a leitura deste texto tão cheio de beleza interior, mando um abraço de
agradecimento e de felicitações. O Rui merece o melhor futuro.
Manuel Daniel


Texto e fotos que me transportam de imediato aos sons, cheiros e paisagens timorenses. Timor-Leste é lindo, lindo. Obrigada meu amigo pelo seu bonito texto e fotos.
Natália Carrascalão

Vale a pena ler e apreciar as fotos. Um grande abraço para ti Mano.
João Carlos Fonseca


Meu caro amigo:

Acabo de ler o retrato de viagem feito em Timor pelo Rui Pedro Fonseca.
Provavelmente é com emoção redobrada que recorda uma terra onde certamente foi tão feliz quanto o permitiu a juventude.
É para si uma sensação de regresso ao passado com os olhos num futuro sonhado e agora descrito pelo mais comovente relator possível: o olhar do seu filho.

As fotografia são muito bonitas e fico esperançado em que terei um dia a oportunidade de sentir mais de perto esta Peregrinação.

Um abraço
Amadeu Martinho


Caro Amigo e Companheiro:

Acredita que foi com alguma emoção que li este texto sobre Timor.
Eu mesmo estive em Dili também e em Baucau.
Acredita e são várias as vezes que falo às pessoas, de que foi um povo que me deixou saudade, dócil, com uma paisagem invejável, orgulhoso do seu portuguesismo e das suas tradições locais também, que casaram
perfeitamente na herança cultural lusa.
Pena foi que os políticos tivessem estragado tanto do que era a terra e as gentes e " as lágrimas de crocodilo" que muitos andam ainda a carpir serão não de solidariedade para com o povo timorense (não é maubere) para talvez de culpas e culpas que a consciência e a história carregam.

Abraço,
José Domingos


Caro amigo:

Obrigada por partilhar comigo um pedaço do seu Timor e do absolutamente fantástico trabalho do Rui Pedro.

Grande repórter, grande jornalista, que devia estar a trabalhar para um grande jornal, para uma cadeia de televisão ou para uma revista da especialidade.

Tem que insistir com o Rui Pedro para ele mostrar o seu trabalho. É um desperdício não o fazer, ele tem que pelo menos tentar bater a algumas portas. O trabalho do Rui Pedro é tão rico e tão específico que ele vai, com certeza, obter alguma resposta positiva. Tem é que tentar e batalhar por isso.

Um abraço e um beijinho ao Rui
e saudações jornalísticas da colega
Alcina Gomes


Querido Amigo:

Nem imagina a alegria que me deu receber novas de Timor e logo através do seu filho Rui Pedro, um jovem jornalista que é bem um descendente do seu Pai.

Gostei de ler os comentários dele e as dificuldades de movimentação que tem experimentado naquele território, bem como as reacções das pessoas com quem vai falando. Em certos momentos, pareceu-me ler o seu
livro "Comissão em Timor"...
O seu filho tem o dom de descrever muito bem os lugares que visita, como eu já tinha tido ocasião de apreciar.
É muito significativa a fotografia do Cristo Rei, bem como a paisagem maravilhosa recolhida pelo bom fotografo que ele é.

Calculo que, para si, foi agradável e muito reconfortante, por ser dele e por vir daquela terra que é sagrada para todos nós, portugueses.

Com um sincero Bem Haja, vai um abraço de parabéns e de muita amizade.
Manuel Daniel


Meu estimado Amigo e antigo Professor Joaquim Fonseca:

Gostei muito de ler a reportagem da visita a Timor do seu filho Rui Pedro Fonseca.

Um abraço Fraterno do Timorense, que em breve deseja abraçá-lo em Portugal.

José Luís Madeira Valadares
Melbourne - Victória
AUSTRÁLIA

2012-03-28

Páginas: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | 16 | 17 | 18 | 19 | 20 | 21 |

Voltar para a página de Tribuna Livre

CONCRETIZAÇÃO DO IC31...FINALMENTE ?

Facebook

Escrito por CMIN/RCM em 2020-08-27 18:10:27

CONCRETIZAÇÃO DO IC31...FINALMENTE ?

CONCRETIZAÇÃO DO IC31…FINALMENTE?       A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, em comunicado que nos foi enviado, congratula-se por a via IC31 – Castelo Branco/Termas de Monfortinho, que ligará a A23 a Espanha, constar entre as obras previstas no Plano Nacional de Investimentos 2030.   Na próxima cimeira luso-espanhola, que deverá realizar-se na Guarda, entre o final de Setembro e início de Outubro, espera-se que o IC31 seja apresentado como um dos projectos que vão melhorar as ligações transfronteiriças, que têm previsto um investimento de cerca de 80 milhões de euros e um prazo de construção entre 2024 e 2030.   O Presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, adianta que “o projecto do IC31 é estruturante para a região Centro de Portugal e para o país no seu todo. É um investimento que irá gerar desenvolvimento económico e social, aproximar Portugal da Europa, aumentar a competitividade territorial e reforçar a coesão interna do nosso país”. “Trata-se de uma infra-estrutura rodoviária da maior importância e a sua concretização irá afirmar as Termas de Monfortinho como a grande porta de entrada do Centro de Portugal, para turistas e mercadorias”, afirma o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova.   Saúda-se, assim, o facto do IC31 estar entre os investimentos estratégicos que Portugal decidiu lançar esta década, num compromisso que não deve ficar condicionado às alterações de ciclo político.   A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova compromete-se a acompanhar a evolução da implementação do plano rodoviário nacional.   Em articulação com o Programa de Coesão Territorial, este plano define o IC31 nos investimentos públicos necessários para fomentar a economia e aumentar a coesão territorial e a dinamização da mobilidade nas regiões do interior.   …………………………………………………......   A Rádio Clube de Monsanto tem no seu site www.radiomonsanto.pt um inquérito sobre esta matéria da concretização do IC31 e num universo de já 31. 876 votantes, o resultado é o seguinte:   SIM…………..2,6% NÃO………..94,4% Talvez……….....3%   …………………………………………………......   Portanto vamos confiar e esperar para ver…

Ler mais

BEM-HAJA AOS AMIGOS DA RÁDIO CLUBE DE MONSANTO

Facebook

Escrito por RCM em 2020-08-15 18:03:08

BEM-HAJA AOS AMIGOS DA RÁDIO CLUBE DE MONSANTO

BEM-HAJA AOS AMIGOS DA RÁDIO CLUBE DE MONSANTO ……………………………………………............................. Um sincero bem-haja a quantos se associaram, pessoalmente, por telefone ou por outros meios, ao dia de mais um aniversário da Rádio Clube de Monsanto, e nos felicitaram pela passagem dos 35 anos desta modesta Voz da Portugalidade ao serviço da Aldeia Histórica de Monsanto, do concelho de Idanha-a-Nova, da região e do país. Julgo que concordarão que tentámos, com esforço e dedicação, cumprir a nossa Missão, o melhor que sabíamos, podíamos, e… nos deixaram levar a “Carta a Garcia”. Essas cativantes gentilezas e generosidades, da parte de inúmeros amigos-ouvintes, dalgumas entidades oficiais e de associações culturais, etc., muito nos sensibilizam e nos estimulam a CONTINUAR EM FRENTE. Que Deus nos proteja e os nossos ouvintes e anunciantes nos ajudem a chegar até aos 36 anos… o que está a ser muito difícil. Em boa verdade temos que o dizer... com imensa pena, pois prezamos e temos a maior consideração e respeito pelos melhores ouvintes do mundo, os quais sempre estiveram connosco desde 1985. Obrigado, saúde e prosperidade para todo o nosso maravilhoso auditório.

Ler mais

14 DE AGOSTO DE 1985

Facebook

Escrito por RCM em 2020-08-14 09:17:34

14 DE AGOSTO DE 1985

14 DE AGOSTO DE 1985 – 14 DE AGOSTO DE 2020       35 ANOS DA RÁDIO CLUBE DE MONSANTO ao Serviço do Regionalismo, da Música Portuguesa e da marca IDANHA.   BEM HAJA PELA SUA COMPANHIA AMIGA.

Ler mais

RÁDIOS LOCAIS ESTÃO NO LIMIAR DO ENCERRAMENTO

Facebook

Escrito por "JORNAL DA MADEIRA" em 2020-07-17 00:00:00

RÁDIOS LOCAIS ESTÃO NO LIMIAR DO ENCERRAMENTO

RÁDIOS LOCAIS ESTÃO NO LIMIAR DO ENCERRAMENTO “JORNAL DA MADEIRA”  - 17 DE JULHO DE 2020 ............................................................   Segundo informações recolhidas pela ARIC – Associação de Rádios muitas estações de rádio local de norte a sul do continente e regiões autónomas, estarão a ponderar fechar nas próximas semanas. O diminuto volume de receitas e o avolumar de custos durante estes meses de pandemia, isso vai obrigar. Em nota publicada, a ARIC diz que "os empresários não conseguem suportar mais o volume crescente de despesas e as Associações ou Cooperativas proprietárias das licenças de emissão radiofónica, só esperam a realização das respectivas Assembleias Gerais para uma tomada de decisão". Refere também que, "depois dos funcionários e colaboradores terem desistido de apoiar projectos, onde existem vários meses de salários em atraso e muitas contas para pagar, chegou agora altura dos fornecedores de energia eléctrica considerarem a hipótese de cortar o fornecimento, pois a paciência e a solidariedade também têm os seus limites. E sem energia, os emissores calar-se-ão de vez". Sobre as comunicações, a ARIC diz saber de redacções sem telefone há vários meses, e que para obtenção de notícias ou confirmação de informações, são os próprios jornalistas que recorrem a meios próprios e telemóveis particulares. Em contacto com a Secretaria de Estado do Cinema, Audiovisual e Media, esta Associação não conseguiu obter uma resposta sobre o timing efectivo de concretização do apoio do Estado aos media, através da compra de publicidade institucional antecipada. Cinco meses depois de apresentadas as primeiras medidas de apoio às empresas devido à Covid-19, o dia a dia das empresas de comunicação social em geral e para as rádios em particular, já passou pelos estágios de emergência, aflição, pânico e está prestes a passar para o estágio de fecho iminente. Entretanto, a ARIC já elaborou um conjunto de medidas muito concretas que apresentou ao Governo, que se aceites suavizariam as dificuldades vividas. "Porém, até agora nada aconteceu e, assim, as rádios não conseguem continuar", avisa.   .............................................................. A LENTA ASFIXIA DAS RÁDIOS LOCAIS.   TEMOS QUE DENUNCIAR:     CADA DIA ESTÁ MAIS DIFÍCIL DE CONTINUAR A MANTER NO AR A RÁDIO CLUBE DE MONSANTO. TEMOS DE VENDER OU MESMO FECHAR, COM NATURAL DESENCANTO E DESAGRADO. AS DIMINUTAS RECEITAS NÃO DÃO PARA AGUENTAR POR MUITO MAIS TEMPO. A SITUAÇÃO FOI DRASTICAMENTE AGRAVADA COM A PANDEMIA. E AS PROMETIDAS AJUDAS (MESMO AS MIGALHAS) TARDAM EM CHEGAR.  

Ler mais

Transportes dentro do concelho e ligação a Castelo Branco recomeçam a 6 de Julho

Facebook

Escrito por CMIN em 2020-07-03 17:38:23

Transportes dentro do concelho e ligação a Castelo Branco recomeçam a 6 de Julho

Transportes dentro do concelho e ligação a Castelo Branco recomeçam a 6 de Julho   O transporte de autocarro dentro do concelho de Idanha-a-Nova e a ligação rodoviária entre Idanha-a-Nova e Castelo Branco vão recomeçar no dia 6 de Julho, após interrupção forçada devido à pandemia de COVID-19. A disponibilização das carreiras será faseada de acordo com a evolução da situação epidemiológica, sabendo-se que os transportes públicos são fundamentais para a qualidade de vida das pessoas, mas potenciam a transmissão da COVID-19 e a salvaguarda da saúde da população é a grande prioridade desta autarquia. A Carreira Intermunicipal, entre Idanha-a-Nova e Castelo Branco, tem saída do terminal rodoviário de Idanha-a-Nova pelas 8h10 e saída do terminal de Castelo Branco pelas 17h15, de segunda a sexta-feira (dias úteis). Este transporte é gerido pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa, enquanto Autoridade de Transporte competente quanto aos serviços públicos de transporte de passageiros intermunicipais na área geográfica que abrange. A rede de transportes rodoviários do Cartão Raiano também vai retomar no dia 6 de Julho. Liga todas as localidades do concelho à vila de Idanha-a-Nova, com horários e itinerários que permitem dar resposta às necessidades de mobilidade da população e minimizar a concentração de passageiros. Os percursos e horários vão estar disponíveis na Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, nas Juntas de Freguesias, nos Postos de Turismo e nos sites oficiais do Município, nomeadamente em www.cm-idanhanova.pt e www.idanha.pt. Importa referir que a legislação em vigor limita o número de pessoas nos autocarros e determina a adoção de normas preventivas de segurança e higiene, nomeadamente a obrigatoriedade do uso de máscara e o distanciamento social entre os passageiros. Estão ainda previstos transportes excepcionais de acordo com necessidades pontuais da população (consultas médicas, por exemplo), sujeitos a marcação prévia junto da Linha de Apoio Psicossocial (966 032 484), com a antecedência mínima de oito dias e condicionados à disponibilidade dos serviços do Município.

Ler mais

Mais Notícias

© Rádio Clube de Monsanto 2020 | 98.7 e 107.8 FM | CSB 652 / RDS

Programação | Contactos | Opiniões | Livro de Visitas | Compras On-Line